História

A história do FLEXPIN é formada por muitos fatores e forjada com a persistência e fé de que seria possível fazermos um grampo durável e que não fosse descartável.

Inicialmente na velha garagem fizemos alguns experimentos rudimenta-res, protótipos cortados com pequenas serras de laminas de plásticos, comprar capinhas de celulares e retirar as molinhas que eram cortadas e entortadas a base de calor.

Nos protótipos até mesmo parafusos porcas, arruelas seguravam pernas, veja aqui o primeiro protótipo caseiro que originou o projeto do Flexpin.

Fizemos mais de 350 projetos com softwares de modelamento, mais de uma centena de simulações de stress , tensões e fadigas bem como quase 50 protótipos depositados e mais de uma de uma dezena de protótipos injetados.

Planejamento, desenvolvimento, avaliações de ergonomia, design, estudo de polímeros e suas blendas e muita pesquisa, e mais o desejo sincero de fazer o melhor independentemente de ter que esperar 2, 3 ou 5 anos para talvez vender de novo.

Nossos olhos estavam fitos no fazer bem feito, porque mais que acreditar sabíamos que era impossível pular meio buraco.

Final de 2008, perto do término de seu desenvolvimento recebemos honrosamente o convite e indicação ao Prêmio Excelência em Plásticos de Engenharia na FEIPLAR, maior feira de plásticos reforçados de engenharia da América Latina.

Dias depois recebemos a noticia que o FLEXPIN foi premiado na Categoria Inovação Tecnológica, concorrendo entre 10 cases de diferentes empresas em diversas categorias, entre elas empresas lideres mundiais em seus segmentos como a Electrolux.